Um só que faz a diferença

Assim como toda noite, dei uma boa olhada no espelho para iniciar meu ritual de beleza noturna (sim, desde que virei repórter tenho um!). Foi então que percebi um pequeno brilho, mas minha atenção foi desviada por um choro baixinho.
Vi uma garotinha, escondida debaixo da cama, num quarto escuro, assistindo a mais uma briga dos pais. Ela chorava tanto que mal conseguia abrir os olhos, mas chorava em silêncio, tentando salvar seu orgulho.

Quando ela abriu os olhos viu seu pai e padrasto se batendo e então, sem ser avisada, a colocaram num carro e a esconderam: da família, dos amigos, da escola, do mundo.

Quando ela reapareceu tinha 12 anos de idade. Era gorda, feia, desajeitada. Mas era uma ótima menina: tinha muitos amigos, era convidada para todas as festas, era divertida e engraçada. Mas enquanto suas amigas se aventuravam nas terras dos primeiros beijos, ela era rejeitada por qualquer menino.

Então, retirou-se em um ostracismo social, marcado pelo som de suas lágrimas mudas e duras. Viveu no escuro até cansar de chorar.

Voltou à sociedade linda, deslumbrante e orgulhosa. Era sua vez de se divertir e logo aprendeu o poder da sedução. Não houvesse quem lhe escapasse e o poder subiu-lhe à cabeça.

Subiu tanto que ela pouco se importou quantas pessoas magoou, por cima de quem passou. Tão pouco ligou para sua saúde: bulimia e princípio de anorexia lhe renderam sua primeira paixão e, então, quando se curou, seu coração foi estraçalhado!

Nesse caminho ela sofreu abusos, indiferença, hostilidade, humilhações. Umas eram conseqüência dos seus atos, outras lhe eram dadas gratuitamente.

Um filho perdido, amores perdidos, orgulho perdido, família perdida… ela se perdeu! Ela chorou. Ela gritou. Gritou até perder o ar. Quase desfalecida, alguém a segurou pela anelar direito e ela ficou bem. Bem como nunca mais foi, feliz de verdade com o amor da sua vida.

Mas essa pobre menina fora criada às avessas: não lhe foi ensinado que o que ela tinha era pouco para ela, mas sim que ela nunca seria boa o bastante para tudo que tinha, na versão de sua mãe. Então a garotinha aprendeu a arte da auto-sabotagem, da autodestruição.

Tornou-se Ph.D e tudo que lhe parecia bom demais, seu cérebro processou como algo a ser excluído. Portanto, seu subconsciente tornou-se mais forte que ela mesma.

E assim foi construindo os alicerces de sua vida: seu padrasto morreu, sua família dissolveu-se, o poder aquisitivo diminuiu, sua mãe surtou (de vez) e ela tentou não se importar. Criou seu próprio mundinho por meio de personagens, reais e fictícios.

Erros demais, caprichos demais, estragos demais, ego demais, vícios demais, escolhas erradas demais, sedução de mais, vidas para administrar demais, poder demais… Ah, se eu conseguisse assistir esses relances bem detalhadamente teriam se passado muito mais do que 10 anos.

Mas voltando à mim: aquele brilho estreante no meu pequeno ritual era um enorme fio de cabelo branco; um único, mas tão comprido e iluminado que saltava aos olhos.

E, então, meus 25 anos, 5 meses e 4 dias pareceram pesados demais. Fechei meus olhos até tudo ficar escuro e senti, novamente, o sabor amargo de minhas lágrimas mudas, esperando que meu orgulho ressurgisse…

 

 

Para meu Ex-tudo

“Venho por meio desta despejar toda minha indignação, minha raiva e toda minha mágoa. Depois de tanto tempo você resolve me virar a cara…

Motivos você teve de sobra, mesmo assim continuou nossa amizade. Sim, é disso que estou falando – não quero NUNCA mais pensar em algo sentimental por você – acredite! Estou estupefata com o fato de você cortar nossa relação, assim sem aviso prévio, por causa de um belo par de olhos azuis – pois é isso que ela tem de bonito.

O golpe machuca tanto e chega ser até mais doído que o término do namoro. Namorados vão e vêm, amigos – assim como éramos, ou achava que fôssemos – é raro. Você sabia mais a meu respeito que QUALQUER outra pessoa: conheceu o céu e o inferno ao meu lado, sabia tudo sobre minha família, minhas verdades mascaradas de mentiras e minhas mentiras mascaradas de verdades.

Foi você quem segurou minha mão no hospital, quem enxugou diversas lágrimas, quem acreditou em mim, quem me escutou na gravidez sem fazer uma crítica sequer ao pai da minha filha – mesmo o odiando. Dias e dias você esteve ao meu lado, dando colo, conselho, preocupando-se. Enfim, um amigo de verdade mesmo depois de tudo que passamos – e POR ISSO seu cancelamento de convivência seria TOTALMENTE aceitável!

E agora some assim, como se tivesse me conhecido ontem, como se eu fosse uma trepada de ocasião, como se não houvesse história. Se ela se amendrontou diante da minha pessoa, não posso fazer nada. Eu não tenho culpa de ser quem sou… TENHO ORGULHO!

O que vocês acham? Que eu ainda te amo? Que quero você? Faça-me o favor! Se quisesse já teria!

Desde que iniciei um namoro – pois é, esqueceram que pulei fora da nossa relação BEM antes de você – os “eu te amo” dirigidos à sua pessoa, foram em nome da amizade, do que vivemos, do orgulho que tenho (?) por ver o homem que você se transformou.

Mas enfim, sete anos de amizade foram jogados no lixo! Não me apareça com desculpas depois, você nem ao menos teve COLHÕES para me comunicar sua decisão. Sabe muito bem que eu a teria respeitado, compreendido; o que não aceito é maneira como você lidou com isso! Mesmo assim, não te odeio, nem desejo seu mal. Na verdade espero que nenhum amigo seu te faça o que você me fez, NUNCA!

Mas com certeza me valerei de palavrões – assim como eu, você também acredita que somente eles servem para expressar certas opiniões de vez em quando – para dizer o que te desejo, de coração:

Seu filho da puta, corno, lazarento, cretino de uma figa! Tomara que essa biscatezinha chinfrim faça com que seus chifres sejam de causar inveja aos cornos de Itu! Tomara que seja o cruzamento de alces norte-americanos , com búfalos africanos e mais os “veados” da Frei Caneca!

E assim, seu morfético, broxa, eu sorrirei de satisfação por você ter tomado no cu!

Sem mais.”