teu sorriso é o que vou guardar comigo

 

ela era um rosto entre muitos. mas não era qualquer rosto, também não era uma Grace Kelly, Audrey Hepburn ou qualquer desses ícones de beleza que saltam aos olhos. ela era um rosto tão dela, completamente dela. e o sorriso? este rasgava o rosto, de ponta a ponta, exibindo muito mais que muitos dentes.

desde que a conheci tem um algo engasgado no peito. à primeira vista, toda vez que ela sorria, eu sentia uma vontade quase incontrolável de ser o motivo. mesmo que ela endurecesse as feições, assunto ou outro, abria os olhos, surpresa, e, sem saber, revelava uma certa tristeza, meiga até, daquelas que você quer abraçar e dizer que tudo vai ficar bem. porque você quer que ela não sinta nada além do que você também está sentindo.  e então, não mais que de repente, foi uma vontade insana de beijá-la e ficar de vez ao lado dela. e ela me deu o primeiro sorriso de muitos que seriam só meus, de mais ninguém.

13227166_10206471276805716_8249995763434146060_n

estar com ela era tão simples como devorar um pote de pasta de amendoim. ela era o furacão que me dava paz. ela bagunçou todos os meus planos e eu me senti realmente sortudo por isso. eu também fiquei confuso. eu fiquei o quanto pude, da melhor maneira que pude: por inteiro. tempo é sempre algo relativo quando o que existe é verdadeiro – e avassalador. mas somos todos estragados por dentro. ela era mais do que eu podia lidar agora. ela não, a situação. como é possível cair aos pés de alguém quando ainda se está de joelhos?

eu vi o sorriso morrer em olhos espremidos segurando as lágrimas, mesmo que ela tentasse olhar fixamente para a xícara de café. e vi quando ela veio certeira em minha direção e me envolveu  em um abraço. com força e que me atingiu de um jeito que só ela sabe. ela sorriu no meu pescoço, eu sei, eu senti. ela respirou fundo, sorveu meu perfume e abriu outro sorriso. era um sorriso diferente, eu não acho que tenha visto em mais ninguém em toda minha vida. ela me disse que não estava triste. ela disse que eu tinha que ir porque era melhor assim: sem mágoas como herança. era um sorriso de empatia, daquele tipo que entende a dor do outro e dá espaço para que as feridas sarem e os traumas se minimizem

eu vi ela ir, provavelmente secando as lágrimas ou procurando um cigarro. ela não olhou para trás. eu não fui atrás dela, como disse que iria caso ela fugisse de mim. eu sabia que tinha encontrado alguém com quem queria fazer planos a longo prazo, assistir filmes no sofá e ficar admirando. mas fiquei parado olhando ela ir. porque eu sabia que ninguém a segurava. ela era dela, completamente dela, mesmo quando ela quis ser minha.

desde que a conheci tem um algo engasgado no peito que vai ficar, assim como a lembrança desse sorriso, que não para de surgir na minha mente. é o que vou guardar comigo.

 

. josé castillo .

Só agora eu sou assim

Por diversas vezes eu escutei que deveríamos ter cuidado com o que desejamos, afinal desejos podem, de fato, serem realizados. A cada paixão não correspondida, cada briga, cada rompimento, cada lágrima queimando a face, eu pedia ao Universo para ser uma pessoa menos passional, menos emotiva. E, então, eu me tornei cínica!

Sou capaz de ter crises de choros em filmes, seriados, músicas e até vídeos que falem de amor. São lindos, emocionantes e me arrepiam, mas esta é uma realidade desconstruída para mim. Não importa quão incrível seja eu estar com um alguém, há sempre uma barreira entre mim e o potencial desenrolar dos fatos.

Eu desapareço e nem sempre é porque eu quero causar algum mal, apenas prefiro evitar o inevitável. Sem dúvidas, mas cheia de anseios e angústias, eu sei que além disso eu vou me atirar no abismo, no mar, e ficar mergulhada até o pescoço. Eu não sei ser metade. Cheia de tantos “e se”, eu sou intensidade até a última célula.

Contraditório? Tenho a mania de sempre dizer que eu jamais faria algo, até ir lá e fazer. Às vezes é para provocar qualquer possibilidade de autoridade para cima de mim, às vezes é só porque eu realmente mudei de ideia no meio do caminho – depois de analisar tanto, a ponto de ser consumida pela enxaqueca e amanhecer com bolsas embaixo dos olhos. Nem sempre é preocupação com algo, é apenas uma maneira de eu viver diversas vidas, explorando todas as possibilidades. OVER. Over thinking, over reacting, over feeling.

michelle

Mas nada em mim é falso. Se é para rir, dou gargalhadas até perder o ar; se choro, sou uma excelente alternativa para a crise hídrica; se é para ser amiga, troco minha vida pela sua. E mesmo assim, ressalto meu coração negro e peludo, para poder esconder algo que me é tão precioso… Não me dou por inteiro a qualquer um, porque a vida ensinou que nem todo mundo merece o melhor de mim. Difícil? E cansativo também. Mas nada comparado ao desgaste de recolher os cacos do coração, enquanto mãos e joelhos estão sendo cortados ao tentar juntá-los.

Coleciono papéis antigos, postais e lembranças de tudo que passei. Tenho um carinho por todos aqueles que passaram pela minha vida, reconhecendo nisso uma espécie de amor: o que não machuca. Mesmo que eu tente guardar rancor, só guardo nomes. E depois de um tempo, depois de entender o que aquela pessoa me ensinou, eu só passo a desejar que seja feliz na vida que escolheu. Mas que fique longe! Sou orgulhosa até a hora em que preciso deixar de ser. Sou fúria até a hora que a primeira lágrima cai e toda minha muralha cai por terra. E então eu fujo.

Fujo porque só assim me sinto livre: tendo asas para voar (mesmo que eu não saia do lugar) e raízes para voltar. É questão de saber que posso, que não tenho amarras. Ser assim, enfim, tão minha. E ainda que a solidão escolhida tenha seu certo pesar, não existe sorriso falso: todas minhas rugas são as cicatrizes de quanto fui e sou feliz. Não vivo a vida que não é minha, nem crio cenários alternativos para a vida real. É aqui. É assim. É agora!

E agora sou cínica. Sou tudo o que desejei tantas e tantas vezes. Minha frieza não é falta de vontade de viver a sorte de um amor tranquilo. É a vontade de não ver mãos cobertas de band-aids, de não usar merthiolate nos joelhos- porque, na verdade, para mim, doeu sempre! Mas daqui em diante  tudo pode mudar. Eu posso entrar no metrô, no Tinder, no Starbucks e encontrar a pessoa que vai me mostrar porque vale a pena mudar de ideia no meio do caminho.

Mas agora, só agora, eu vou ficar aqui, sorrir e sentir que não dói mais.

 

 

 

Fireworks inside me

Esqueço minha mania de não aceitar cavalheirismos e eu cedo. Foi difícil resistir ao vê-lo parado, com a mão esticada para a porta do carro. Eu sorrio e me afasto enquanto ele, em sua habilidade de ex-pugilista, me vira, segura meu rosto com as duas mãos, me olha baixo e me beija suavemente . As pessoas continuam passando pela ruela, diminuindo o som ao nos verem e eu o beijo com um sorriso tímido nos lábios, confessando um lado que prefiro quase nunca expor. Ele sorri ao constatar essa versão de mim que ainda não tinha visto, me coloca no banco do passageiro e saímos.

Ele dirige sem saber aonde ir e decido levá-lo onde nunca levei alguém antes, mas é o tipo de lugar que ele gosta de estar. É o lugar onde sempre estou. Ele contempla a vista, o interior do meu lugar no mundo e eu sei que ele precisa ver mais. O pedacinho recém-descoberto, com a orla abaixo dos nossos pés e todo mar à nossa frente. Dois braços envolvem meu corpo. A barba por fazer raspa meu ombro e a boca dele deixa rastros da base do pescoço até a ponta da minha orelha esquerda. A temperatura da noite de outono eleva-se subitamente e dentro de mim é apenas verão.

Escadas, ladeira abaixo, ruas e uma única rotatória até chegar onde tudo começou, para mim. Na rádio toca “Your Song”, minha música, e ele fala comigo sem desviar os pequenos olhos escuros dos olhos mais doces que ele já viu. Às vezes, um momento de felicidade está em coisas simples. E eu sei que hoje eu transbordarei.

Ele me envolve, me beija e brinca com meu cabelo. Eu sento em seu colo, beijo todo o rosto, sem pressa. Pequenos beijos salpicados, reconhecendo a fisionomia com os lábios, absorvendo o perfume, sem querer explicação, apenas sentir. Ele sorri de um modo que não sei dizer e antes de falar qualquer coisa, mordo o queixo e sou esmagada entre seu peitoral e o volante. Suas mãos passeiam por todo meu corpo, apertando, sentindo, chamando para si. E eu me entrego.

Sinto a pele dele junto à minha. Sinto seu gosto, seu cheiro e seu toque por todo meu corpo. Engulo suor e saliva com a mesma satisfação que devoraria um prato de mariscos. Seus braços contornam minhas coxas e ele desafia as leis da Física. Eu sinto que o parquinho de diversões abriu somente para eu brincar. Sem pressa, porque ele vai ficar aberto a noite toda e eu me divirto como se não houvesse amanhã, pois, na verdade, não há. Aproveito para aproveitar cada looping com um sorriso bobo, cada subida sentindo o friozinho na barriga, cada fogo de artifício que estoura dentro de mim com gritinhos abafados no pescoço dele. E, como se ainda fosse criança, brinco no escorregador de gozo e suor sem medo da queda. Até que desabo esgotada, arfando.

Ele ainda sorri, eu o beijo sem timidez, sem pudor. Ofereço a ele a vista mais secreta desde então. Eu assim, tão entregue, tão exposta em quase todas as versões de mim mesma. Eu olho pela janela, para o alto e enxergo para dentro. Sorrio ainda mais quando volto para o colo dele. Enquanto ele se aconchega no meu corpo eu sei que não é ele. Mas há tempos  eu não era tão eu com outro alguém. Eu olho para nós dois e sorrio. E, enfim, relaxo.

Enquanto o amor não vem

Enquanto o amor não vem, eu vou viver histórias de paixonite e vou escrever sobre todas; torná-las mágicas e especiais – até porque alguns momentos foram e serão. E espero que elas deem errado, porque tudo na vida dá. E que eu passe um tempinho cabisbaixa, me consolando com as amigas, encontrando desculpas para comer brigadeiros e tomar shots de tequila. E logo depois eu recomeço. Mais uma vez. Quantas mais forem necessárias. E que os recomeços sejam cheios de sorrisos, beijos e pegação.

Eu vou dedicar muito tempo aos treinos para me sentir mais gostosa e receber muitos olhares aonde quer que eu vá. Vou aproveitar para cuidar do meu cabelo, deixá-lo crescer como tento há anos, ter paciência para procurar os muitos fios brancos e arrancá-los com pinça. Eu vou aproveitar para fazer maratonas de série, assistir muitos filmes – online, no Netflix ou no cinema.Vou estar sempre rodeada dos amigos, largar qualquer outra coisa para ajudá-los. Ou cercada dos meus bebês. Ou passar um domingo inteiro dentro do quarto, lendo um livro, arrumando memórias enquanto tomo café e fumo meu único cigarro do dia. Ou vou sair para correr, para ir à igreja, para tirar fotos do pôr do sol.

Eu vou aproveitar para usar calcinhas grandes e confortáveis, para não ser tão pontual com a depilação ou com a manicure, para usar mais das minhas calças de moletom e minhas camisas surradas. Vou aproveitar para usar batom vermelho, daqueles que borram muito, sem ter que ouvir o namorado reclamar – afinal não é sempre que beijarei alguém. Vou aproveitar as noites de insônia para otimizar o trabalho, para reler as mensagens do whatsapp do novo casinho ou para escrever mais um texto. Vou aproveitar para deixar o celular longe e não correr para atender quando ele tocar.

E se perguntarem por mim diga que estou ótima!

E se perguntarem por mim diga que estou ótima!

 

Vou aproveitar para não me planejar. Vou aproveitar para explorar outros lugares sozinha, ir à exposições. Sem ter que dar satisfações. Eu vou aprender algo diferente todo dia. Sobre mim, sobre os outros, sobre o mundo, sobre social media. Eu vou aproveitar para tentar ser vegetariana.Vou aprender a cozinhar novos pratos. Ou vou viver de miojo por uma semana. Eu vou sair para dançar ou vou para um bar. E aproveitar para suar todo o vestido ou ficar tão alegre, que as palavras saiam enroladas e as pernas bambas. Nada de “caçar”. Muitas vezes só queremos nos divertir muito, ao lado de pessoas que gostamos muito. Estar sozinha não é estar à procura de um cara qualquer, que ocupe o lado esquerdo da sua cama – e os buracos do seu corpo – apenas para marcar presença. Entre um sexo meia boca e a felicidade de dormir 12 horas direto, sozinha na cama de casal, fico sempre com a segunda opção.

Enquanto o amor não vem, eu não vou mais ficar na janela, vendo a vida passar. Não há vida para ser desperdiçada. E não há tempo a perder com pessoas que me olham com pena, que acham que eu me cerco de pessoas para preencher o vazio. Não há vazio algum. É muito amor para dar, na forma que for. E eu dou, como posso, para quem eu quiser. Não adianta nada eu esperar pelo o amor de outro se eu não aprender que o melhor amor é o próprio. Ser solteira não significa estar sozinha, embora às vezes eu me sinta, significa que aprendi que para estar ao meu lado tem que ser melhor do que a minha própria companhia. As pessoas esperam que o amor seja o alívio para suas dores, sem saberem que o amor é a recompensa por você já tê-las superado e saber se bastar.

Quando o amor chegar, eu vou saber. E sei que a vida será diferente e vai mudar. Quem não vai mudar serei eu, pois enquanto o amor não vem eu estou aprendendo a me amar mais do que nunca.

E se der errado?

Eu acredito que alguém que já teve uma decepção amorosa verdadeira passa um período com medo (preguiça, desconfiança) de se envolver novamente. A primeira questão que surge é “e se der errado?”. É o temor de sentir novamente o coração sendo sugado pelas costas, das entranhas se revirando em loopings infinitos, das lágrimas arderem na face, de passar dias e noites com saudade, de escutar uma música e ser levada ao passado…

E no ápice do realismo cínico que assola qualquer coração partido, a gente sabe que vai dar errado. Um dia. E nosso ego não está pronto para lidar com outra rejeição. Nossa parte boa se eriça ao pensar que você será o responsável por outro alguém ficar do jeito que você já ficou.

Por segurança, e racionalidade, você decide que o correto é não começar nada. E não começa. E os dias ficam menos coloridos, os filmes de romance são trocados pelos de ação com muito sangue (te amo, Tarantino!), o medo vai colando nas artérias até virar amargor, até você se olhar no espelho e reconhecer que adoraria ter borboletas no estômago ao invés de um coração de ferro – ou pior, um espaço oco.

O tal “mal amada” passa pela sua cabeça – “mal comida” também, sejamos sinceras – e você lembra daquela sua professora de Geografia do colegial e como você prometeu à si mesma que não seria assim de jeito algum. Então você começa a sair do casulo. Bem aos poucos. Começa a reparar nas coisas que te fazem feliz de verdade, por menores que sejam. Começa a olhar para si no mundo e no mundo que há dentro de si. E passa a sorrir. E a atrair sorrisos. E se você persistir, descobrirá o melhor tipo de amor que existe. O próprio.

 

IMG_4248

 

Até que um dia, sem que você espere – pois as coisas boas acontecem assim, de repente – entre tantos “ois” e sorrisos, um “oi” e um sorriso te chama a atenção. E vira conversa. E a conversa vira flerte. E quando você percebe você fica sem jeito com o jeito que ele te deixa.

Você pensa na barba por fazer, nos olhos negros espremidos quando ele sorri, no jeito que ele segura o cigarro e na mania que ele tem de se exibir para você. Porque você esteve fora do jogo por um tempo, mas sabe todas as regras de trás para frente. Até que o inevitável, que vai contra toda e qualquer razão, acontece.

Li dia desses que pessoas que causam arrepios enquanto a gente sorri merecem moradia no peito. Mas arrepio maior causa a sensação que você sente. “E se der errado?”, você se pergunta. Porque você quer listar os defeitos, as diferenças, o fato de ele não ser tão alto. Você quer listar tudo que vai dar errado e compartilha com a melhor amiga, esperando que ela aponte todos os motivos – porque as amigas sempre têm mais motivos que a gente – porque isso vai dar errado. E ela lista. E você escuta. E você sorri. E o sorriso vira gargalhada por conta do absurdo que acabou de ouvir.

Você gargalha porque percebeu que é capaz de se apaixonar! E percebe também que a vida é muito mais do que se esconder atrás de um coração machucado.  Há muitas pessoas no mundo com muito medo de ter uma chance no amor. Não importa quem você ama ou se essa pessoa ama você de volta.  O fato de que você pode amar é que é importante.

E se der errado? Se der errado, deu. Tudo vai dar errado. Um dia.
Você opta por sorrir sem motivo, por dançar que nem idiota no meio da rua enquanto escuta a música que te lembra ele. E não se importa quando crianças apontam e as pessoas riem da sua cara. O dia está colorido! Você escolhe querer dar oi até para o extintor de incêndio, ficar com a pele bonita, com a autoestima “o céu é o limite”, com o bom humor irradiando.

E se der errado? Pense no que está dando certo – e por dar certo entenda com o que está fazendo bem a VOCÊ! “E se der errado?”, você insiste, em uma última tentativa. Se der errado, deu. Tudo vai dar errado. Um dia. É para isso que existe o recomeço. Cheio de primeiros beijos, primeiras vezes, de cor, de sabor, de música.

Simples assim!

 

 

A verdade liberta, por mais que doa

Ao longo da vida nos deparamos com diversas situações e as enfrentamos dependendo do grau de conhecimento que temos. Não apenas da vida em si, mas de nós mesmos. A gente até sabe, na prática, como seria o modo “mais correto” de agir em uma ou outra situação, mas leva-se anos para entender que nem sempre estamos, de fato, preparados para certas coisas – mesmo que já tenhamos passado por algo semelhante.

Atire a primeira pedra quem nunca teve reações exageradas, quem nunca chorou quando não deveria ou gargalhou até faltar o ar em um momento ainda menos propício. Vivemos nos preparando, até que algo acontece e reagimos assim, espontaneamente. Com os mecanismos de defesa que construímos ao longo da jornada não é diferente.

Às vezes saímos armados da cabeça aos pés, exibindo um elmo reluzente, escudo ultra resistente e uma lança pronta para atravessar o “oponente” sem dó, nem piedade. Às vezes deixamos toda a indumentária em casa, mas ao sermos pegos desprevenidos, nos cobrimos com qualquer coisa que esteja ao nosso alcance. E isso cansa. Mas também cansa se magoar, decepcionar e sofrer. São ciclos que vão deixando marcas – às vezes superficiais, às vezes profundas – e vão montando a personalidade (inseguranças, neuroses e traumas) de cada um.

O processo para atenuar as cicatrizes é pessoal, cada qual tem seu modo. Tentei de tudo um muito, inclusive culpar o outro e a conjunção estelar para não responder algumas perguntas – afinal, não são raras as vezes que mexer na própria ferida é algo doloroso demais. E a gente inventa teorias, cria respostas prontas e segue a vida.

Mas a vida sempre acerta as contas e numa noite de uma quinta-feira qualquer, um estranho me atingiu com a pergunta que mais evito, bem no meio da cara, com a força de um mamute. A gente culpa aquela que sempre culpamos (“é a vida, às vezes funciona, às vezes não”), desconversa e sorri para evitar desconforto.

Mas uma vez atingida dessa maneira não há como voltar atrás. Não é fácil admitir as próprias falhas, a vulnerabilidade, os medos. É doloroso pensar em paixão/amor e perceber que não eram os outros, mas você quem estava emocionalmente indisponível e não conseguia se manter inteira quando o coração estava em pedaços. É difícil pensar em arriscar de novo quando você sabe tudo que pode perder.

Ao longo da vida nos deparamos com diversas situações e as enfrentamos dependendo do grau de conhecimento que temos. Não apenas da vida em si, mas de nós mesmos. E, embora, a vida não espere que você esteja pronta para encarar seus medos, dar um salto de fé torna tudo mais libertador.

Inclusive o coração.

. escrito em outubro de 2014.

Meu (segundo) 1º beijo

Acho engraçada a importância que é dada a tudo que acontece primeiramente na vida: o 1º beijo, sexo, namorado, carro, trabalho, filho. Claro que são coisas especiais, mas a mistura de sentimentos pode ser tão intensa e tornar aquele momento algo, por assim dizer, inexpressivo perto das outras vezes.

Duvido que sua primeira transa tenha sido magnífica. Ou que o primeiro filho não te apavorou. Meu primeiro beijo? Fiquei com um nojo danado daquela coisa melada, molhada, entrando na minha boca, passeando ali dentro. MUITA coisa mudou nesses 20 anos, claro – ainda bem!

Eis meu ponto: aquilo que deveria ser ‘super-master-blaster-fodasticamente-das galáxias’ acaba sendo uma experiência não tão bacana comparada com as outras vezes. Então, para mim, a gente acaba perdendo aquele brilho, aquela mágica, que esperamos que uma primeira vez de qualquer algo tenha. Porque a primeira vez não torna a acontecer – embora momentos especiais sempre surjam.

O-Primeiro-Beijo

 

 

 

 

 

 

 

Lembro dos muitos beijos que dei, seja pelo motivo que fosse, e daqueles que se tornaram especiais – e histórias para guardar em caixinhas no coração: o com gosto de caramelo, o da festa à fantasia, o da porta da geladeira, o dado no balcão de um bar de São Paulo, o do reencontro após uma longa viagem, o coberto de lágrimas de saudades. Mesmo assim nenhum deles estava relacionado com o que falei acima.

E claro que a vida iria me surpreender novamente, da maneira que eu menos esperava – como sempre é, ou deveria ser.

Embora houvesse a tensão estampada na cara de ambos, embora houvesse o clima, nunca houve flerte, nem um sinal de que algo aconteceria. Ele estava nervoso e fui conversar com ele. Diante das palavras, pedi que ele me abraçasse – coisa que ele prontamente obedeceu. Pedi que ele me abraçasse forte e ele estalou minhas costas – e senti o sorriso dele se formar em cima do meu ombro depois de eu reclamar. Ainda abraçada a ele, feliz de ele ter sorrido, eu me afastei. Nos olhamos por longos cinco segundos, hesitando. A vontade atropelou a razão e acompanhei todo o movimento de olhos bem abertos, até que os fechei lentamente.

Ele não é o cara pelo qual irei me apaixonar, nem namorar, e jamais casaremos. Ele não está na lista dos beijos que viraram histórias de vida. Mas é o cara que pôs um sorriso bem bobo no meu rosto, que me deu a mágica do primeiro beijo, sem deixar de lado aquele foguinho que nasce no tornozelo e chega até os botões da camisa em segundos.

Ele é o beijo que não quero beijar de novo, porque primeiras vezes não tornam a acontecer.