O amor é brega

E a verdade é que ele só não é brega quando é nosso!

Eu cresci escutando Zezé Di Camargo e Luciano, Fafá de Belém e Roberto Carlos. E a verdade é que perdi as contas de quantas vezes vi minha mãe, meu pai e meu padrasto cantarolando as letras do Rei. Fosse pelo lançamento de um  CD, fosse pelo show exibido todo final de ano na Globo, fosse em declarações.

Algumas dessas músicas marcaram a história da minha família e, claro, ficaram na minha cabeça. Vez ou outra até as canto para fazer minha filha dormir. E sim, sou brega, amei demais e usei umas duas canções do amigo de fé, camarada, citado para exprimir todo meu sentimento de um jeito que ele faz como poucos! E tem quase cinco meses que fugi de todas as canções dele…

Então hoje lendo o blog do André Kassu me deparei com parte de uma letra que não me recordava.  Kassu falava de sua mãe, que faleceu há pouco, então o trecho era lindo… Curiosa que eu sou, cacei nesse mundão grande do Google.

BURRA! Melhor seria ter continuado na busca desenfreada, e inútil,  pelo $ que acredito ter perdido. Calma, a música é boa, boa demais! E é por isso que eu não deveria ter escutado…

 

 

“Das lembranças que eu trago na vida, VOCÊ  é a saudade que e eu gosto de ter… Só assim sinto VOCÊ bem perto de mim outra vez..”

Aniversário de namoro!

Eeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee… quem é que não espera essa data para comemorar e fazer algo especial? E poucos hão de lembrar que para chegar até a sonhada data é preciso mais que celebração.

E que também só amor não basta. É preciso cumplicidade, superação, afinação, cumplicidade, coragem, amizade, respeito, confiança, credibilidade, apoio, suporte, tesão. É preciso entender que nem tudo será sempre flores, que às vezes terão fases difíceis, dias insuportáveis e situações quase insuperáveis. Que vocês precisarão enfrentar obstáculos – reconhecendo no companheiro, muitas vezes, um deles – que precisarão se entender, que precisarão compreender um ao outro.

E assim, só assim, vocês celebrarão!

Eu não consigo por em palavras tudo que sinto, tudo que vivo a cada dia ao SEU lado. Precisamos enfrentar muito… e “os outros” foram relativamente fáceis de lidar. Só nós sabemos o que passamos, o que fazemos, como vivemos. E se depois de tudo ainda estamos aqui, eu não vejo mais como deixar de ser. Minha vida não faz o menor sentido sem VOCÊ ao meu lado. Pois há um bom tempo, sempre foi VOCÊ… e mais ninguém!

Me é difícil falar tudo, mesmo que eu fale todo dia, mesmo que fale a todo instante; não cabe em caracteres, posts ou palavras. Tampouco consigo resumir… VOCÊ é quem mais somou na minha vida, de todas as maneiras que alguém pode somar!

Se é preciso deixar mais claro que isso, só consegui pensar nessa canção:

Se o amor não fosse brega, Roberto Carlos não venderia discos

Nunca sabemos ao certo quando um amor acaba, apesar de vez ou outra termos a convicção plena de que tudo é passado. Mas então, a vida – como sempre – pode te surpreender e não da melhor maneira. E tudo que te faz companhia a partir daí são as recordações e uma solidão interna que não pode ser preenchida, nem deixada para trás. Ela te acompanha quando desce seca pela garganta, quando você folhea seus álbuns com dedos trêmulos ou escuta uma canção com ouvidos de tuberculoso.

E você se pergunta se ele ainda pode saber seu número, seu endereço, seu email ou se bloqueou o MSN. Pois nessas horas qualquer notícia aliviaria seu coração, principalmente se ele estiver tão miserável quanto você. Assim sendo, porque vocês não poderiam dividir um lenço para enxugar as lágrimas e se apoiarem nos ombros alheios para curtir essa dor dividida em dois? E fantasiosamente vocês podem até dividir – só por aquele instante de ressucitamento – o edredom e esquentarem um pé um do outro enquanto riem como no dia mais alegre da vida a dois. Desprentensiosa e sinceramente, como se o mundo fosse apenas viver feliz.

É algo mais sutil e menos óbvio, por isso tão doído quando resolve ressurgir. Era para ser esquecido, relegado ao frio do descaso e indiferença, como aquele último bilhete idiota pintado no espelho do banheiro, que desapareceu com o vapor do banho quente após a ressaca do crível. Porque, afinal, que porra é essa de invadir os pensamentos em dias e momentos mais impróprios? Quando a vida acha seu meio de se fazer feliz e colorida novamente? São as imagens em preto e branco que vem incomodar como os pernilongos em noites insuportáveis de verão!

Lembranças… é o que se tem. A pessoa não está ao seu lado. Não te abraça para que chores copiosamente. Não volta da cozinha com um copo cheio de Coca-cola. Não faz um cafuné quando não sabe mais o que dizer para você se sentir melhor. Não existe a pessoa para encontrar um meio de fazer um sorriso bastar. Só o vazio das recordações, só sua lágrima fazendo um baque surdo na fronha do seu travesseiro, que você agarrou com todas as forças para se permitir um luto tardio.

Talvez a vida goste de sacanear, de trazer amores errantes – e errados – assim. Pessoas que compartilharam e quando não lhes bastou mais, foram embora sem sequer lembrarem das promessas e juras declamadas ao pé do ouvido entre dentes alvos graciosamente desalinhadinhos. Talvez tenha sido isso, talvez a culpa seja sua. E então esse rímel borrado e esse batom manchado, transformando seu rosto em uma pintura patética, lhe caiam bem, merecidamente. Porque o tempo transforma todo amor em quase nada – e embora “quase” seja apenas mais um detalhe – ainda existem amores além da mediocridade, além do lugar comum.
Amor como esse: exatamente esse que você perdeu…. e quase esqueceu.