365 dias


Mima

Naquela manhã em que o  amor deu seu primeiro suspiro rumo a uma morte dolorosa e lenta, havia cacos por todos os lados. Dos artigos de decoração, dos corações explodidos, das lágrimas que tocaram o chão, da confiança estilhaçada, da sua dor e raiva metralhadas. Naquela manhã tudo virou um sonho distante (e um pesadelo revisitado em imagens com blur, vez ou outra); do passado, presente e futuro que vivemos e viveríamos sempre…

Desde o ano passado o amor morreu três vezes: março, outubro e janeiro. E hoje  você resolveu aparecer. Você sempre me tirou o sono, de um jeito ou de outro, mas nunca tinha vindo para mostrar que minha vitimização tanto fez como faz – mesmo que a vitimização tenha sido apenas um método, bem comum, para aliviar a dor; um coração palpitante e um pouco de raiva para passar por cima daquela tristeza-rolo compressor-dos infernos.

E logo depois, já acordada e desperta para a vida, fui acometida por uma saudade súbita de todos os 53 meses antes daquela manhã, fui apunhalada por lembranças que a minha memória não aprendeu a deletar, bloquear ou qualquer coisa que pudesse não aparecer como telas de pop up. Ela me pegou no meio da corrida e corri dela a 14km/h, mas só consegui suar como se tivesse  sido trancada em um sauna no deserto e arranjei uma fadiga muscular nas coxas.

Antigas verdades viraram mentiras! Um tapa na cara, de costas de mão, com o peso de 10 elefantes brancos do Himalaia  para encarar a realidade: o término, o abandono, a superação rápida, o desalento e todas essas pontas soltas que desconcertam. Desconcertam não porque eu gostaria de te ver triste e chorando, mas porque me dá aquela sensação que não foi o que foi.

A gente conseguiu ser tanta coisa ao mesmo tempo… E agora somos só lembrança. Mas se nosso começo não foi rápido, como poderia acreditar que o fim seria? A verdade que em situações assim, a distância, o papel assinado, nada  disso faz diferença! Sem querer e de repente? Não teria sido amor se o fim fosse rápido como arrancar o band aid de um machucado. O fim demora um tempo para ser o fim mesmo.  Tarefa difícil essa de tirar da cabeça o que, na verdade, é do coração.

E apesar de tudo, do que sinto, do que escrevo e do que acredito, o fim, sem dúvida, vai chegar. E quando chegar, vou comemorar.

Mesmo não sabendo por quê.

*muitas frases têm inspiração dos tweets da @soulstripper

Anúncios

A importância do casamento

Não adianta revirar os olhos e soltar um suspiro alto, ainda mais se você for mulher… guarde a ceninha de descaso quando estiver sentada em uma mesa com outras colegas que dizem lutar pela liberdade feminina! Não que eu seja contra as mulheres que desejam ser “livres”, apenas cheguei a uma conclusão que me tomou anos de pensamentos e que não teria concluído se não tivesse casado!

TODA MULHER QUER CASAR, SONHA COM ISSO!

E se diz ao contrário, está mentindo! Na verdade, tenta se convencer que juntar as escovas de dentes basta; que se dedicar à carreira a satisfaz; que tem medo de que “casando” o relacionamento vá para o beleléu… Desculpa atrás de desculpa para não se sentir “fracassada”. Hoje em dia isso ainda não deveria acontecer, mas as mulheres solteiras se sentem como se não tivessem atingindo um status, completado uma fase e isso é desnecessário. Não falo isso porque me casei (no papel, de fato, embora já me considere casada há 3 anos), mas perto da casa dos 30, com amigas nessa faixa etária e mais atenta ao tema, tenho percebido a importância que é dada à cerimônia!

É a festa, o vestido, os detalhes, a lua de mel… as mulheres desejam uma FESTA de casamento, poucas estão prontas para enfrentar o matrimônio, com suas crises, com seus altos e baixos, com brigas, com todas as alegrias, com a experiência única. E por isso critico! Critico as pessoas que querem a aparência, que não se importam em construir algo, mas apenas vender a imagem em seus perfis sociais de que são plenamente felizes quando a solidão é ainda maior quando o ato de se comprometer com o outro é uma promessa em vão.

Em menor ou maior grau ninguém quer ficar sozinho e relações exigem de todos os lados, o tempo todo… E por isso é complicado encará-las; mais simples pular de cama em cama, trocando nomes por carinhos vazios. Já fui assim, sei bem do que estou falando! Mas quero falar do outro lado…

É apenas um sim dito a um juiz de paz ou um padre, mas um “sim” que implica n coisas e lhe traz tantas outras… Tão maiores e tão mais alegres! A vida não é perfeita, o que dirá quando você ainda tem que se adaptar aos defeitos e qualidades de outra pessoa? Convivência é isso. Vai além dos preparativos, de fotos sorridentes, mas que apesar dos pesares continua valendo a pena no fim do dia. E aí reside a importância do casamento: ter alguém para abraçar, beijar, se aninhar; te fazer crescer, te fazer melhor, compartilhar. Alguém que te escute e fale, que ria e chore, que dê amor e bronca… não é possível embarcar nessa jornada se você não estiver ao lado do seu melhor amigo.  Não porque cada um não poderá ir para sua própria casa, dado que se divide o mesmo teto, mas porque ninguém mais tem 15 anos e precisa aprender a enfrentar situações… seja elas quais forem!

O casamento é importante porque fortalece o vínculo, aflora o melhor de cada um, constrói algo forte… não colocarei os poréns, quem chegou até aqui é porque tem, ao menos, intenção de fazer direito. E direito não significa sem traição, mas com lealdade, companheirismo, amizade e, acima de tudo, respeito! IMPOSSÍVEL? De maneira alguma! Essa é a justificativa daquela mesa de amigas que já sofreram alguma, ou várias, desilusão amorosa, que pulam de lençol em lençol sem nenhum critério, que não se valorizam e que de quinta a domingo enchem a cara ao lado de outras mulheres enfiadas em roupas minúsculas caçando um homem que esteja disponível. Vale a pena ressaltar que homem não vai levar a sério alguém que não se leva?

Eu dou muito valor ao que eu construí e conquistei. E, obviamente, resolvi fazer uma festa para comemorar. Afinal festa faz parte sim, mas não é a estrela. Quem brilha mesmo é a família que você constrói! Para quem me perguntou, algumas fotos do dia… um brinde aos noivos!


E que por muitos anos, no final das contas, seja sempre feliz… e que seja doce!

Projeto Casamento

Como disse no post anterior, fiquei noiva lá em Buenos Aires! Sei que sempre falei em Marido aqui pelo blog, mas é porque eu e o Matt moramos juntos há pouco de mais de 2 anos. (e só agora ele resolveu para de me enrolar, hehehe!) e na prática somos casados.

Mas agora vai tudo para o papel; e Mi Vargas dará lugar à Mi Vargas Flandoli!

E como uma boa bridezilla, já inicie todos os preparativos para o grande dia. Apesar de achar abusrda a pressão que é colocada para que as noivas estejam perfeitas no dia do casamento, eu já comecei me cobrando. Se no dia mais importante da vida de uma mulher – que é o nascimento do filho – a gente está enorme, inchada, suando e com dor, é justo que no segundo dia mais importante, nos sintamos divinas!

Então iniciei o que chamo de Projeto Casamento: são posts contando um pouco dessa nova rotina de cremes anti-idade, exercícios, dietas, tafetá, renda, tule e muito strass. Claro que ainda tem decisões, datas e uma série de outros GRANDES detalhes, mas vamos lá!

Eu já sigo alguns blogs – Love and Lavender, Casarei The Disney Wedding Blog e Say I do. Sou apaixonada pelos posts, mas eles sempre tratam, de uma forma ou de outra, de casamentos mais tradicionais – e muitas vezes, bem caros.

E como eu vou sair um pouco do convencional, aposto que tem muita gente que também vai e tem dificuldade em encontrar essas informações… . e espero que ese meu relato possa ajudar alguma outra noiva!

Assim também espero movimentar meu outro blog, já esquecidinho – Emagrecendo comendo fora – porque a reeducação alimentar vai ser ferrenha por aqui… mas isso é assunto para outro post!

Até lá!

Beijos