Só agora eu sou assim

Por diversas vezes eu escutei que deveríamos ter cuidado com o que desejamos, afinal desejos podem, de fato, serem realizados. A cada paixão não correspondida, cada briga, cada rompimento, cada lágrima queimando a face, eu pedia ao Universo para ser uma pessoa menos passional, menos emotiva. E, então, eu me tornei cínica!

Sou capaz de ter crises de choros em filmes, seriados, músicas e até vídeos que falem de amor. São lindos, emocionantes e me arrepiam, mas esta é uma realidade desconstruída para mim. Não importa quão incrível seja eu estar com um alguém, há sempre uma barreira entre mim e o potencial desenrolar dos fatos.

Eu desapareço e nem sempre é porque eu quero causar algum mal, apenas prefiro evitar o inevitável. Sem dúvidas, mas cheia de anseios e angústias, eu sei que além disso eu vou me atirar no abismo, no mar, e ficar mergulhada até o pescoço. Eu não sei ser metade. Cheia de tantos “e se”, eu sou intensidade até a última célula.

Contraditório? Tenho a mania de sempre dizer que eu jamais faria algo, até ir lá e fazer. Às vezes é para provocar qualquer possibilidade de autoridade para cima de mim, às vezes é só porque eu realmente mudei de ideia no meio do caminho – depois de analisar tanto, a ponto de ser consumida pela enxaqueca e amanhecer com bolsas embaixo dos olhos. Nem sempre é preocupação com algo, é apenas uma maneira de eu viver diversas vidas, explorando todas as possibilidades. OVER. Over thinking, over reacting, over feeling.

michelle

Mas nada em mim é falso. Se é para rir, dou gargalhadas até perder o ar; se choro, sou uma excelente alternativa para a crise hídrica; se é para ser amiga, troco minha vida pela sua. E mesmo assim, ressalto meu coração negro e peludo, para poder esconder algo que me é tão precioso… Não me dou por inteiro a qualquer um, porque a vida ensinou que nem todo mundo merece o melhor de mim. Difícil? E cansativo também. Mas nada comparado ao desgaste de recolher os cacos do coração, enquanto mãos e joelhos estão sendo cortados ao tentar juntá-los.

Coleciono papéis antigos, postais e lembranças de tudo que passei. Tenho um carinho por todos aqueles que passaram pela minha vida, reconhecendo nisso uma espécie de amor: o que não machuca. Mesmo que eu tente guardar rancor, só guardo nomes. E depois de um tempo, depois de entender o que aquela pessoa me ensinou, eu só passo a desejar que seja feliz na vida que escolheu. Mas que fique longe! Sou orgulhosa até a hora em que preciso deixar de ser. Sou fúria até a hora que a primeira lágrima cai e toda minha muralha cai por terra. E então eu fujo.

Fujo porque só assim me sinto livre: tendo asas para voar (mesmo que eu não saia do lugar) e raízes para voltar. É questão de saber que posso, que não tenho amarras. Ser assim, enfim, tão minha. E ainda que a solidão escolhida tenha seu certo pesar, não existe sorriso falso: todas minhas rugas são as cicatrizes de quanto fui e sou feliz. Não vivo a vida que não é minha, nem crio cenários alternativos para a vida real. É aqui. É assim. É agora!

E agora sou cínica. Sou tudo o que desejei tantas e tantas vezes. Minha frieza não é falta de vontade de viver a sorte de um amor tranquilo. É a vontade de não ver mãos cobertas de band-aids, de não usar merthiolate nos joelhos- porque, na verdade, para mim, doeu sempre! Mas daqui em diante  tudo pode mudar. Eu posso entrar no metrô, no Tinder, no Starbucks e encontrar a pessoa que vai me mostrar porque vale a pena mudar de ideia no meio do caminho.

Mas agora, só agora, eu vou ficar aqui, sorrir e sentir que não dói mais.

 

 

 

Anúncios

Enquanto o amor não vem

Enquanto o amor não vem, eu vou viver histórias de paixonite e vou escrever sobre todas; torná-las mágicas e especiais – até porque alguns momentos foram e serão. E espero que elas deem errado, porque tudo na vida dá. E que eu passe um tempinho cabisbaixa, me consolando com as amigas, encontrando desculpas para comer brigadeiros e tomar shots de tequila. E logo depois eu recomeço. Mais uma vez. Quantas mais forem necessárias. E que os recomeços sejam cheios de sorrisos, beijos e pegação.

Eu vou dedicar muito tempo aos treinos para me sentir mais gostosa e receber muitos olhares aonde quer que eu vá. Vou aproveitar para cuidar do meu cabelo, deixá-lo crescer como tento há anos, ter paciência para procurar os muitos fios brancos e arrancá-los com pinça. Eu vou aproveitar para fazer maratonas de série, assistir muitos filmes – online, no Netflix ou no cinema.Vou estar sempre rodeada dos amigos, largar qualquer outra coisa para ajudá-los. Ou cercada dos meus bebês. Ou passar um domingo inteiro dentro do quarto, lendo um livro, arrumando memórias enquanto tomo café e fumo meu único cigarro do dia. Ou vou sair para correr, para ir à igreja, para tirar fotos do pôr do sol.

Eu vou aproveitar para usar calcinhas grandes e confortáveis, para não ser tão pontual com a depilação ou com a manicure, para usar mais das minhas calças de moletom e minhas camisas surradas. Vou aproveitar para usar batom vermelho, daqueles que borram muito, sem ter que ouvir o namorado reclamar – afinal não é sempre que beijarei alguém. Vou aproveitar as noites de insônia para otimizar o trabalho, para reler as mensagens do whatsapp do novo casinho ou para escrever mais um texto. Vou aproveitar para deixar o celular longe e não correr para atender quando ele tocar.

E se perguntarem por mim diga que estou ótima!

E se perguntarem por mim diga que estou ótima!

 

Vou aproveitar para não me planejar. Vou aproveitar para explorar outros lugares sozinha, ir à exposições. Sem ter que dar satisfações. Eu vou aprender algo diferente todo dia. Sobre mim, sobre os outros, sobre o mundo, sobre social media. Eu vou aproveitar para tentar ser vegetariana.Vou aprender a cozinhar novos pratos. Ou vou viver de miojo por uma semana. Eu vou sair para dançar ou vou para um bar. E aproveitar para suar todo o vestido ou ficar tão alegre, que as palavras saiam enroladas e as pernas bambas. Nada de “caçar”. Muitas vezes só queremos nos divertir muito, ao lado de pessoas que gostamos muito. Estar sozinha não é estar à procura de um cara qualquer, que ocupe o lado esquerdo da sua cama – e os buracos do seu corpo – apenas para marcar presença. Entre um sexo meia boca e a felicidade de dormir 12 horas direto, sozinha na cama de casal, fico sempre com a segunda opção.

Enquanto o amor não vem, eu não vou mais ficar na janela, vendo a vida passar. Não há vida para ser desperdiçada. E não há tempo a perder com pessoas que me olham com pena, que acham que eu me cerco de pessoas para preencher o vazio. Não há vazio algum. É muito amor para dar, na forma que for. E eu dou, como posso, para quem eu quiser. Não adianta nada eu esperar pelo o amor de outro se eu não aprender que o melhor amor é o próprio. Ser solteira não significa estar sozinha, embora às vezes eu me sinta, significa que aprendi que para estar ao meu lado tem que ser melhor do que a minha própria companhia. As pessoas esperam que o amor seja o alívio para suas dores, sem saberem que o amor é a recompensa por você já tê-las superado e saber se bastar.

Quando o amor chegar, eu vou saber. E sei que a vida será diferente e vai mudar. Quem não vai mudar serei eu, pois enquanto o amor não vem eu estou aprendendo a me amar mais do que nunca.

E se der errado?

Eu acredito que alguém que já teve uma decepção amorosa verdadeira passa um período com medo (preguiça, desconfiança) de se envolver novamente. A primeira questão que surge é “e se der errado?”. É o temor de sentir novamente o coração sendo sugado pelas costas, das entranhas se revirando em loopings infinitos, das lágrimas arderem na face, de passar dias e noites com saudade, de escutar uma música e ser levada ao passado…

E no ápice do realismo cínico que assola qualquer coração partido, a gente sabe que vai dar errado. Um dia. E nosso ego não está pronto para lidar com outra rejeição. Nossa parte boa se eriça ao pensar que você será o responsável por outro alguém ficar do jeito que você já ficou.

Por segurança, e racionalidade, você decide que o correto é não começar nada. E não começa. E os dias ficam menos coloridos, os filmes de romance são trocados pelos de ação com muito sangue (te amo, Tarantino!), o medo vai colando nas artérias até virar amargor, até você se olhar no espelho e reconhecer que adoraria ter borboletas no estômago ao invés de um coração de ferro – ou pior, um espaço oco.

O tal “mal amada” passa pela sua cabeça – “mal comida” também, sejamos sinceras – e você lembra daquela sua professora de Geografia do colegial e como você prometeu à si mesma que não seria assim de jeito algum. Então você começa a sair do casulo. Bem aos poucos. Começa a reparar nas coisas que te fazem feliz de verdade, por menores que sejam. Começa a olhar para si no mundo e no mundo que há dentro de si. E passa a sorrir. E a atrair sorrisos. E se você persistir, descobrirá o melhor tipo de amor que existe. O próprio.

 

IMG_4248

 

Até que um dia, sem que você espere – pois as coisas boas acontecem assim, de repente – entre tantos “ois” e sorrisos, um “oi” e um sorriso te chama a atenção. E vira conversa. E a conversa vira flerte. E quando você percebe você fica sem jeito com o jeito que ele te deixa.

Você pensa na barba por fazer, nos olhos negros espremidos quando ele sorri, no jeito que ele segura o cigarro e na mania que ele tem de se exibir para você. Porque você esteve fora do jogo por um tempo, mas sabe todas as regras de trás para frente. Até que o inevitável, que vai contra toda e qualquer razão, acontece.

Li dia desses que pessoas que causam arrepios enquanto a gente sorri merecem moradia no peito. Mas arrepio maior causa a sensação que você sente. “E se der errado?”, você se pergunta. Porque você quer listar os defeitos, as diferenças, o fato de ele não ser tão alto. Você quer listar tudo que vai dar errado e compartilha com a melhor amiga, esperando que ela aponte todos os motivos – porque as amigas sempre têm mais motivos que a gente – porque isso vai dar errado. E ela lista. E você escuta. E você sorri. E o sorriso vira gargalhada por conta do absurdo que acabou de ouvir.

Você gargalha porque percebeu que é capaz de se apaixonar! E percebe também que a vida é muito mais do que se esconder atrás de um coração machucado.  Há muitas pessoas no mundo com muito medo de ter uma chance no amor. Não importa quem você ama ou se essa pessoa ama você de volta.  O fato de que você pode amar é que é importante.

E se der errado? Se der errado, deu. Tudo vai dar errado. Um dia.
Você opta por sorrir sem motivo, por dançar que nem idiota no meio da rua enquanto escuta a música que te lembra ele. E não se importa quando crianças apontam e as pessoas riem da sua cara. O dia está colorido! Você escolhe querer dar oi até para o extintor de incêndio, ficar com a pele bonita, com a autoestima “o céu é o limite”, com o bom humor irradiando.

E se der errado? Pense no que está dando certo – e por dar certo entenda com o que está fazendo bem a VOCÊ! “E se der errado?”, você insiste, em uma última tentativa. Se der errado, deu. Tudo vai dar errado. Um dia. É para isso que existe o recomeço. Cheio de primeiros beijos, primeiras vezes, de cor, de sabor, de música.

Simples assim!

 

 

Poderia ter sido, mas não foi

Veja bem, meu bem, não me entenda mal, foi tudo real. Do primeiro oi desajeitado, incluindo aqueles “ois” sussurrados após o sexo, até o último beijo. Do primeiro beijo doce até o último sorriso sincero, abafado no teu travesseiro. Da primeiro olhar penetrante até a última saudade, outro ‘poderia ser amor’ se acabou…

Depois do filme, em um noite extremamente quente de inverno, eu me agarrei a sua barba, como já era de costume… Mas você não reagiu como das outras vezes. Eu me agarrei para ter a certeza que você estava ali. Você não estava. Seus doces olhos negros me olharam duas ou três vezes, não mais que isso. Suas mãos não percorreram meu corpo – de repente 160 centímetros pareciam uma distância colossal. Seus dedos não se entrelaçaram nos meus e nem sua respiração quente ardeu em minha nuca. A química era boa, sem dúvida, mas já não causava reação.

Você não estava ali. Olhei para o teto buscando resposta, mesmo sabendo que não acharia nada além de duas sombras imóveis. Mas eu continuava fitando a pintura branca que tantas vezes abrigaram a sombra do meu corpo em cima do seu. Seria mais fácil perguntar para você, com a voz baixinha para não acordar ninguém de madrugada no apartamento vazio, mas eu não quis perturbar seu sono bom.

Veja bem, meu bem, eu me encanto pela maneira que as pessoas se encantam comigo e você, claramente, não via mais encanto algum em mim. A primeira coisa que você deveria saber sobre mim – e nunca soube – é que meu sorriso diz tanta coisa… E muitas vezes ele esconde meu desconforto – como havia acabado de fazer, pouco antes de você virar para o lado e dormir.

 

 

Quando amanheceu, eu ainda não havia dormido. Enquanto você estava ao meu lado, eu queria olhar para você e sorrir de verdade, sem você querer saber o motivo. Eu dei o maior sorriso desses dois últimos anos. Você não entenderia e eu não quero explicar. Não para você. Porque o motivo de eu sorrir tanto nas últimas semanas está mais relacionado ao fato que eu posso sentir outra vez – com o corpo, com a alma e até mesmo, pasme, com o coração – do que isso que tivemos, que nem sei do que poderia chamar.

Quando você acordou,você me beijou, eu te olhei e me vesti, já sem nenhum sinal de amor. Você me envolveu e colocou meu cabelo para trás da orelha como sempre fez. Eu te beijei com urgência, com carinho, sem pressa – para guardar seu gosto na minha boca. Eu percorri todo seu pescoço e rosto com meus lábios, roçando meu nariz, para guardar o cheiro do perfume que você não usa na minha memória que nunca esquece coisa alguma, a não ser de dizer as coisas que nunca te disse. 

Você preparou meu café, exatamente da maneira que eu gosto, e bebi sem me prolongar, por mais que eu quisesse evitar o que estava por vir. Eu não me despedi com um beijo longo, nem uma mordida no queixo – minha marca registrada – ou sequer um carinho na barba com mechas ruivas, na qual já passei horas brincando. Eu te abracei pela primeira vez em 37 dias,  me aninhei no seu peito, encaixei minha cabeça embaixo do seu queixo, beijei seu tórax, murmurei qualquer coisa e evitei seu olhar um tanto surpreso.

Veja bem, meu bem: claro que eu gosto de você – como não? – mas eu gosto mais de mim. Muito mais, hoje eu sei. Eu não me satisfaço mais
com o que é pela metade, me alimento de inteiros. E para isso eu me desfaço da necessidade de tentar entender o que é para ficar subentendido; não tento adivinhar o que não quer ser dito.

Em uma manhã muito quente de setembro outro amor se acabou. Afinal, teve amor para acabar? Poderia ter sido, mas não foi.

The bright side of life

 

Não lembro onde ou quando escutei a frase do título, mas lembro do que pensei quando ouvi: “bright side pra quem?”.

Eu lembro que era o início do fim; do fim de muitas coisas (e do início de tantas outras), mas principalmente que era o fim de mim mesma. E então eu só conseguia acreditar que não conseguiria fazer nada, que não conseguiria passar por aquilo, que não teria forças para seguir, que eu tinha perdido tudo.

Filha no colo, lágrimas escondidas sob meus óculos gigantes, remédios no bolso, ombros amigos e eu caminhei dia após dia até parar diante de mim mesma. Geralmente em encontros semanais com 3 horas de duração, muitas vezes em noites de insônia, em trechos de filmes e nas palavras de muitos e muitos livros. Até perceber, uns 2 meses depois, que o que estava me acontecendo também era uma oportunidade. Uma oportunidade de o fim de mim mesma ser o início da pessoa que eu sempre gostaria de ter sido.

Se você já viu o filme “Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge”, pode fazer a comparação com as cenas que Wayne tenta sair da prisão subterrânea:  você usa uma corda para tentar sair do poço, mas enquanto tiver a corda, nunca de verdade, se desprende de quem você sempre foi. É uma falsa segurança, pois você acaba caindo de novo. É preciso ter coragem de se livrar da ajuda e se arriscar. É um salto de fé!

Você nunca sabe quão fundo pode ser o fundo do poço até se deparar com uma situação dessa. E aí vai de você querer sair de lá ou não.

Eu não digo que saí, que sou uma pessoa novíssima em folha… É um tanto difícil deixar de ser quem você foi por pelo menos uns 15 anos. E nesses  5 meses ainda tô escalando o muro e vez ou outra me prendo à corda. Saber identificar, conseguir visualizar, entender quando seu mecanismo de autodestruição é acionado – e conseguir brecá-lo – são pequenas vitórias que se conquista a cada dia. Às vezes eu escorrego mesmo, e feio, e perco minhas conquistas pessoais e algumas outras. Dói? Dói! Choro? Pra caramba! Mas hoje vejo como mais uma oportunidade de aprendizado para chegar mais perto de quem estou começando a ser.

Para quem sempre foi 8 ou 80, encontrar o meio-termo é um árduo caminho. É preciso brigar muito consigo mesmo, mais do que com qualquer outra pessoa. Porque, afinal, ninguém é culpado pelas suas neuroses, traumas e medos. Assim como não dá para creditar sua felicidade no outro, tampouco suas tristezas.

Eu posso chorar que só tem mais uma dose de vodka na minha geladeira ou eu posso comemorar que ainda tem mais uma dose de vodka me esperando quando eu chegar em casa hoje. E depois de muitos e muitos dias, que mais pareceram anos, eu entendi que o bright side of life está aí, todos os dias, nas pequenas coisas, nas pequenas conquistas. Pois as coisas são o que são e estão como estão, o jeito de olhar para elas é que as transforma!

Mulheres alteradas?

Dias de “mãe-dona-de-casa” têm poucas distrações, por isso novelas são um TREMENDO passatempo! A nova trama global conta a história de uma personagem muito interessante, Loreta – interpretada por Irene Ravache. Ela acolheu uma moça com filha e logo depois a moçoila leva-lhe o marido e a casa, deixando-a só, com filho que largou os estudos para sustentar a casa.

Nada de anormal não é? Afinal alguns homens fazem assim mesmo. E embora o ódio que a Loreta despeja pelo ex me assuste, é totalmente plausível!

Imaginem-se na mesma situação! Mulher sofrida, largada ou ciumenta em excesso é perigoso para sociedade! E não precisa chegar ao extremo do personagem do Osmar Prado, não! Faça com que sua namorada, esposa, apenas imagine que você a está traindo… exemplos?

Desde a vingança básica “do-vai-levar-chifre-também” até armadilhas, detetive, flagra, “separação-vou-arrancar-até-aquela-sua-cueca-remendada”… e por aí vai! Aí somos nós, mulheres que foram vítimas, que levamos a culpa! Somos execradas, hostilizadas, julgadas, incompreendidas.

Homens podem acreditar que isso é “coisa de mulher”, mas já são conhecidos os casos de crimes passionais, para manter a honra, de bater – e matar – por ciúmes. Ou seja, trata-se de uma patologia humana, com foco acentuado nas mulheres.

Somos nós capazes de demonstrar emoções mais claramente, o que faz parecer que apenas nossa estirpe seja capaz de tudo ao engolir o orgulho misturado aos cacos do coração.

Lembrei-me de inúmeras cenas que representei, em nome do que julguei ser amor, por não querer sair por baixo ou por vingança no seu estado mais puro. Ligar para colocar a moral do outro bem lá embaixo, beijar o melhor amigo, uma foto em fotolog, ceninhas… Afinal, olho por olho, dente por arcada dentária!

Dá uma falsa sensação de prazer, uma busca desenfreada pelo sofrimento alheio e que, impelida pelo impulso de revide, com fome de vampira sanguinária, quis beber até a última gota!

No fundo, pequenos subterfúgios que não levam à nada, a não ser à auto-destruição e à solidão. A solidão de si mesmo, o imenso vazio da qual vivemos fugindo – vazio de saber que aquilo que nos falta é amor-próprio.

A raiva, mágoa, ódio consomem energia que seria melhor aproveitada se ao invés de pensarmos em revidar, pensássemos em cuidar um pouco mais de nós mesmas. Mas, claro, isso só é compreendido, quando passamos a saber que a vingança é ainda mais saborosa quando degustada fria.