Projeto Casamento

Como disse no post anterior, fiquei noiva lá em Buenos Aires! Sei que sempre falei em Marido aqui pelo blog, mas é porque eu e o Matt moramos juntos há pouco de mais de 2 anos. (e só agora ele resolveu para de me enrolar, hehehe!) e na prática somos casados.

Mas agora vai tudo para o papel; e Mi Vargas dará lugar à Mi Vargas Flandoli!

E como uma boa bridezilla, já inicie todos os preparativos para o grande dia. Apesar de achar abusrda a pressão que é colocada para que as noivas estejam perfeitas no dia do casamento, eu já comecei me cobrando. Se no dia mais importante da vida de uma mulher – que é o nascimento do filho – a gente está enorme, inchada, suando e com dor, é justo que no segundo dia mais importante, nos sintamos divinas!

Então iniciei o que chamo de Projeto Casamento: são posts contando um pouco dessa nova rotina de cremes anti-idade, exercícios, dietas, tafetá, renda, tule e muito strass. Claro que ainda tem decisões, datas e uma série de outros GRANDES detalhes, mas vamos lá!

Eu já sigo alguns blogs – Love and Lavender, Casarei The Disney Wedding Blog e Say I do. Sou apaixonada pelos posts, mas eles sempre tratam, de uma forma ou de outra, de casamentos mais tradicionais – e muitas vezes, bem caros.

E como eu vou sair um pouco do convencional, aposto que tem muita gente que também vai e tem dificuldade em encontrar essas informações… . e espero que ese meu relato possa ajudar alguma outra noiva!

Assim também espero movimentar meu outro blog, já esquecidinho – Emagrecendo comendo fora – porque a reeducação alimentar vai ser ferrenha por aqui… mas isso é assunto para outro post!

Até lá!

Beijos

Anúncios

Um tour por Buenos Aires

Bom, que os brasileiros estão invadindo a capital argentina não é nenhuma novidade, mas eu fazer uma viagem internacional é! Rs* Como morro de medo de avião, eu preferi algo mais perto para me acostumar e quando decidi o destino, procurei sobre a cidade em diversos blogs.

Encontrei dicas bem bacanas, é verdade, mas como os posts eram muito fracionados, às vezes me perdia e tinha preguiça de reler tudo – não desmereço aqui nenhum blogueiro, essa sou apenas eu: preguiçosinha!

Por isso resolvi fazer um post-resumo. Nem de longe sou a detentora das melhores coisas para se fazer por lá, mas acredito que dicas são legais para que você monte seu próprio roteiro. Eu e meu noivo (simmmm, vou oficializar o “casamento”, mas isso é outro post) andamos MUITO e vimos coisas incríveis!

CHEGANDO:

* Logo que se chega em Ezeiza (aeroporto), depois de passar pelo freeshop, melhor ir trocar seu dinheiro. A conversão do Banco de La Nácion Argentina é a mais lucrativa!

* Você tem duas opções de translado: o ônibus da Tenda Léon ou um táxi. Se você estiver acompanhada ou em um pequeno grupo, acho o táxi a melhor saída – afinal cada passagem do ônibus é 50 pesos (e ele vai parando em todos os locais possíveis) e o táxi é 150 – e te leva direto para o hotel.

MEU PRIMEIRO DIA:

* Fiquei no Atlas Tower Hotel, na Corrientes com a Callao – do lado do metrô, pertinho do Obelisco. O hotel é simples, mas muito limpo, agradável e tem uma banheira que te ajuda a relaxar depois de muita caminhada. Destaque para o recepcionista Alfredo: pura simpatia e conhece bem a cidade, cheio de dicas.

* Como cheguei no fim da tarde, já saímos para jantar. Fomos até Puerto Madero e jantamos no Cabaña Las Lilas. É um dos restaurantes mais caros, mas a carne e o atendimento são divinos. De entrada, sugiro a provoleta – provolone tostadinho e crocante por fora e quentinho e macio por dentro!

SEGUNDO DIA:

* Pegamos um ônibus na Viemonte com a Callao e fomos até o estádio do Boca Juniors. Sinceramente o passeio e o museu (A Paixão Boquense) não são nada demais, mas para quem curte futebol é bacaninha. O tour completo sai 40 pesos por pessoa.

* Depois rumamos para o Caminito – é lá que você vive a essência portenha! Cheia de pessoas, dançarinos de tango, restaurantes, lojinhas, camelôs… uma delícia!

* Almoçamos no Nono Bochicha e vimos shows de tango e bombacha. Os garçons são super atenciosos e a comida é bem gostosinha.

* Depois rumamos para o passeio de turista: Avenida Mayo, Casa Rosada, Calle Florida (sensacional para comprar boas roupas, bebidas e souvenirs a preços baratos), Galeria Güemes e Galeria Pacífico – cheia de lojas internacionais e de arquitetura belíssima.

* À noite foi hora do espetáculo: Señor Tango! Os tradicionais torcem um pouco o nariz, pois consideram a apresentação hollywoodiana demais… e é mesmo! É simplesmente incrível e todos os principais tangos são tocados com coreografias eletrizantes, é de arrepiar o pentelho do c*, como dizia minha Vózinha!

Eu não jantei lá, mas dizem que é bem gostoso. Se você se emociona pelo amor que as pessoas tem por algo, prepare-se para chorar bastante, pois Fernando (o dono da casa e cantor) faz seu trabalho com um amor desigual.

TERCEIRO DIA:

* Saímos do Hotel e fomos andando até o Cemitério da Recoleta – são algumas boas 20 quadras, mas você descobre coisas belíssimas no caminho. Como essa plaza, em frente ao Ministério das Educações.

Um guia e mapa da cidade foram indispensáveis para que pudéssemos nos orientar muito bem!  O passeio no cemitério é bem bonito também, ainda mais para quem curte arquitetura. Vale à pena!

* Ainda seguimos pelo Buenos aires Design, que é um shopping com itens de decoração bacanudos  e tem um Hard Rock Café também! Ah, na parte de fora tem vários “barzinhos” – quiosques de café e cerveja, cujas mesinhas tem guarda sóis e bate um belo ventinho!

* Mais passeio de turista: Museo Bellas Artes, Floraris Generica (a tal flor de metal) e a Faculdade de Direito. Mas como a gente consegue tudo com um sorrisinho, fiz o Matt andar até Belgrano – no caminho diversas praças, embaixadas, construções belíssimas – para ir no Jardín Japonés. É incrivelmete longe, mas vale cada passo!

O bacana é que lá dentro você vê algumas construções, plantas e flores tipicamente nipônicas. E ainda tem uma lojinha de bonsai e peixes, além de um restaurante típico. Ideal para passar umas duas horinhas ali só apreciando a natureza, descansando em uma sombra  e fazendo nada.

* Na volta: caminhamos até a Plaza San Matín, o que rendeu descobertas arquitetônicas de cair o queixo e ainda passamos por parte da Avenida Santa Fé; outra com lojas bacanas, sobretudo de roupas! Foi lá que descobri que no Mc Donalds portenho vendem a famosa casquinha com sorvete de doce de leite, por menos de R$ 2 – pirei!

* À noite, como era dia 29, jantamos na cantina Pippo (Calle Montevideo com Corrientes). O atendimento é rápido, mas a comida não é das melhores. Se for de nhoque, peça pela salsa blanca. Mas não dispense a panqueca de doce de leite… de lamber o prato!

QUARTO DIA:

* Depois de ir a pé até a Recoleta, hora de seguir para Palermo. O caminho até lá não foi dos mais bonitos, mas não deixa de enriquecer os olhos. Só quando chegamos perto do nosso destino é que comecei a me encantar pelo bairro: cheio de ruas arborizadas e casinhas.

* Almoçamos no Oro & Cándido (Calle Guatemala, 5099). O local funciona como restaurante e mercearia e adorei cada segundo lá dentro, um clima bem argentino! Comi jamón (presunto) cru com palmitos e empanadas de cordeiro. Para acompanhar sempre ia de Coca-Cola light (lá ainda existe, sem esse plus terrível) ou Seven UP free (o sprite da Pepsi, só que mais gostoso).

* Depois passeamos pelas outlets: Calles Gurruchaga e Aguirre são as melhores! Tem lojas da Puma, Prüne (que é uma loja de couro fantástica), Vitamina, Dior, Brooksfield, Nina Piu… uma loucura. Também tem a Avenida Cordóba, que não é tão chiquetosa, mas a outlet da Nike vale à pena!

* À noite jantamos no Lalo’s, também perto do hotel (Calle Montevideo com a Corrientes), que é estupendo! O patê de frango que eles fazem dispensa comentários e toda a comida também!

Dica importante: os pratos individuais são gigantes, melhor é dividir ou, como eu, você voltará com muitos quilos a mais!

* Depois seguimos para o Cassino Puerto Madero, que diferentemente do que nos disseram, não tem nada de depressivo… é MUITO legal! No primeiro piso você pode jogar nas slots machines, roleta, black jack e 8 contra 1. Eu joguei na roleta e as apostas mínimas são 5 pesos. No andar de cima (salón dorado) as apostas são de 10 pesos e algumas mesas (de roleta) só aceitam U$.

De qualquer forma os atendentes são atenciosos, explicam tudo quantas vezes você pedir e se você tiver a mesma sorte que eu, vai achar fichas de 500 pesos caídas no chão… hehehe! Mas vale lembrar que lá dentro é permitido fumar e algumas pessoas podem se incomodar!

ÚLTIMO DIA:

* Depois de tanta badalação, um passeiozinho leve. Uma foto no Obelisco, compras de lembranças, percorremos a Calle Florida novamente e fomos até o Café Tortoni, na Avenida Mayo. É um lugar belíssimo, sem dúvida, mas me decepcionei com o atendimento e com as bebidas. Como tem fila para entrar (esperamos cerca de 40 minutos), os garçons fazem tudo correndo…

O que nehum guia me falou é que ao lado do Tortoni existe o Museu Nacional do Tango. Fiquei arrasada de não ter ido visitar, mas da próxima vez não escapa!

* Nesse dia almoços no Palácio das Papas Fritas, na Corrientes mesmo, ao lado do Hotel. E apesar do nome, vimos poucas batatas fritas! Mas em compensação o filé ao molho de mostarda com papas suflés e o abadejo com molho roquefort e creme de choclo (milho)… ai, ai, ai! Outro destaque: panqueque de dolce de leche. Embora a melhor seja do Pippo, mesmo!

* Para o Reveillón seguimos novamente a Puerto Madero e jantamos no Alternativa, porque ficamos sem alternativa nenhuma (trocadilhozinho… tê falá!). Não deixe de fazer reserva, nenhum outro resturante tinha lugar e olha que percorremos todos os diques. Mas não foi de todo ruim não: comi frutos do mar deliciosos, bastante presunto cru e meu prato foi um enrolado de salmão e linguado, com risoto… delícia!

* Assistimos aos fogos na Ponte del Mujer. Teve gente que disse que foi mixuruca, mas eu gostei muito. Sem contar que passear por lá estava extremamente agradável!

Vale salientar que táxi era impossível! Então fomos de metrô, que no dia 31 é gratuito, e voltamos de táxi… mas os taxistas estavam cobrando 150% mais! Então, previna-se!

DICAS GERAIS:

* Tente sempre andar com trocados em feiras e táxis, deixe para trocar o dinheiro em lojas,  supermercados e nas Farmacity (uma rede de sfarmácia que vendem de TUDO e são enormes ). Até porque não são muitos lugares que aceitam cartão de crédito.

* Se você for no verão, passe protetor solar. Lá é um sol de rachar!

* Só tome água de garrafa de vidro (Perrier, Evian, Valenciano). Elas podem ser mais caras, mas água mineral de garrafinha parece que vem misturada com óleo!

* Existem flats em Belgrano (na Calle Montanheses) que cobram R$ 600 pela semana e são melhores que muitos hotéis. Só soube dessa informação na viagem de volta…

* Fique atenta às alterações de voo. Não fui informada do meu e saí de Ezeiza para o Aeroparque. Sorte que fui bem cedo para o aeroporto!

* Os freeshops da volta são infinitamente melhores!

Sem dúvida foi uma viagem inesquecível, que desejo fazer de novo e passear mais por Belgrano, Recoleta e Puerto Madero. Visitar o Museo Nacional do Tango, Feira de San Telmo, o Cassino e o Jardín Japonés estão na minha lista!

Espero que ajude em algo!

Besos portenhos.