365 dias de sonho!

baloonAs festas de final de ano tem seus próprios cheiros, sabores, sentimentalismos e recordações…

Estava passeando pela Faria Lima e uma característica da época me pegou de surpresa, entorpecendo todos meus sentidos. Como um ano havia mudado tanta coisa na minha vida!

Desde maio de 2008 tive esperanças de melhorar como pessoa, como profissional, como companheira. Acumulava esperanças de um emprego melhor, de um futuro melhor, de um salário maior, de trazer minha filha para São Paulo.

Observando o enorme Papai Noel que fica na frente do Shopping Iguatemi, pensei nas coisas que havia conquistado e naquelas que ainda eram objetivos.

Foi como tirar um peso dos ombros me permitir refletir –  sozinha, sem nenhum conhecido por perto – chorando como uma criança que vê o sorvete inteirinho cair no chão. Para quem foi educada para acreditar que não era boa em nada, eu estava indo longe e bem! Eu tinha realizado meu sonho da época da faculdade, eu tinha conseguido um cargo melhor, um salário maior… e por que, diabos, eu não parava de chorar?

Porque antes a esperança era somente isso: esperar que as coisas acontecessem, esperar que tudo se resolvesse no seu tempo e aprender a conviver com os sonhos, com as desilusões, com as saudades, com as novidades, com mais saudades. E depois que a espera termina, a esperança fica tão próxima, tão palpável que dá medo de acreditar, dói sonhar com o futuro próximo. Pois o tombo pode ser maior!

E aí não existe preparação, costume, lágrimas que aguentem. Doía respirar o cheiro de esperança que o Natal traz, doía pensar nas luzes brancas que podem não iluminar os dias ali na frente, doía pensar que fevereiro logo chegaria. E pode ser, na verdade é, loucura, mas eu tenho certeza que aquele Papai Noel gigantesco olhou para mim e piscou aquela piscada de “estamos juntos, vai dar tudo certo!”. Abracei a perna dele e pedi um único presente, como se fosse uma criança de 3 anos.

Tomada por outro torpor, outras sensações, cheiros e sabores, lembrei porque o Natal sempre me deixa extrema e secretamente exultante de felicidade!