Poesia de boteco

 

 

 

 

. você nunca entendeu
que eu jamais suportaria
a doce-amarga agoniaIMG_2378
do nosso amor ficar em breu
era sonhado, latente, secreto
ao lado, discreto, distante
e quanto mais perto
sempre mais errante
se eu te amo
e tu ainda me amas (?)
venha quando eu te chamo
quero nossos corpos em chamas
o fogo que me arde
é cicatriz da solidão
para nós agora é tarde
teu silêncio é meu não
caso leia estes versos fracos
esta confissão atrasada
saiba que era nos teus braços
que eu teria feito minha morada .

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s